Antes mesmo de ser publicada, comissão provisória do PSB deverá ser dissolvida com a saída de mais de 50% dos membros

Com a recusa do governador João Azevêdo e outros membros de participar da comissão provisória do PSB da Paraíba, a mesma deverá ser auto dissolvida, pela ausência de mais de 50% dos seus membros, antes mesmo de ser publicada.

Com a decisão da Presidência Nacional do PSB de eleger o ex-governador Ricardo Coutinho como presidente da comissão, membros do partido não aceitaram participar da comissão provisória, a exemplo do governador João Azevêdo, o ex-presidente do PSB, Edvaldo Rosas, o senador Veneziano e Walquiria Alencar.

Com essas recusas de integrantes do partido a publicação da comissão deverá sofrer alterações.

Entenda

A composição provisória foi definida durante reunião da executiva nacional do partido em Brasília, na tarde da última segunda-feira (9), convocada em caráter de urgência pelo presidente nacional do partido, Carlos Siqueira.
 
Em um novo encontro, que ainda será marcado depois de 120 dias, a partir desta segunda (9), o PSB deverá definir como ficará a composição permanente do partido no estado depois da destituição de Edvaldo Rosas.
 
Na carta enviada por João Azevêdo à Executiva Nacional, ele disse não entender os motivos e não aceita a dissolução do Diretório Estadual, principalmente da forma que foi feita, “recolhendo assinaturas na calada da noite e sob argumento de que seria para reestruturar o partido no estado. Argumento esse que objetivou, inclusive, a assinatura de vários diretorianos, que depois se sentiram enganados e pediram para retirar suas assinaturas”.

 

Blog do Bruno Lira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *